Novo chefe da 6ª Regional de Saúde faz postagem em rede social por mais UTIs

Krzyzanowski questiona postura do presidente e afirma que a existência de UTIs salva vidas, inclusive de Bolsonaro.

O médico Ricardo Krzyzanowski foi anunciado, há menos de uma semana pelo deputado Hussein Bakri, como novo chefe da Saúde. Assumindo a 6ª Regional em meio aos enfrentamentos ao Covid-19. Na manhã de hoje o novo comandante do setor fez um desabafo relativo ao presidente da República Jair Bolsonaro.

Presidente Jair Messias Bolsonaro o senhor é abençoado por Deus, mas não é Deus“, iniciou Krzyzanowski. O médico citou a necessidade de leito de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para pacientes, se referido a este equipamento que ‘salvou’ Bolsonaro. Sem este aparato, quando atacado por Adélio Bispo em 2018, na avaliação do chefe da regional, o presidente não teria sobrevivido.

Naquele momento em que o senhor sofreu a facada , se tivéssemos com todos os leitos de UTIs lotados pelo Covid 19, pois a gravidade dessa doença se da pelo colapso da saúde por necessidade de um número que não temos de leitos de UTI para tratarmos os pacientes graves, o senhor provavelmente estaria morto pois, as doenças graves do cotidiano não deixam de existir por que estamos em Pandemia“, cita Krzyzanowski.

O senhor não é Deus, nós profissionais de saúde também não, então não impute a nós médicos, o dever de escolher entre quem tentaremos salvar e aqueles brasileiros que deixaremos morrer“, defendeu o médico sobre o possível colapso que o Covid-19 pode vir a causar.

Krzyzanowski defende as medidas de manter os cidadãos em casa e reitera a preocupação com leitos de UTI. “O isolamento social é estratégico para diminuirmos o ‘pico’ da doença e podermos queira Deus, ter capacidade de leitos para como o senhor que, muito precisou e por muitos dias teve a possibilidade de ter um tratamento de terapia intensiva“, completou.

(Nota da redação – transcrição da postagem feita conforme está na rede social Facebook. Visando manter a integralidade dos trechos foi mantida a escrita)